Photoarts Gallery online: Todo o nosso acervo no seu monitor

Metacrilato

O acabamento de obras em metacrilato

Metacrilato 5 mm

Atualmente muitas pessoas tem buscado outras formas de acabamento de sua obra, que fuja dos formatos tradicionais. Uma opção que tem sido muito procurada é o acabamento em metacrilato. Nossa equipe preparou uma matéria exclusiva sobre este tipo de acabamento, sobre seu processo, e quem anda produzindo e oferecendo esse acabamento no Brasil.

 banner


Processo de Metacrilato

Nos últimos anos estamos percebendo um aumento na utilização de uma tecnologia de preservação, finalização e acabamento de imagens, chamada de Metacrilato.

Elaboramos este post para informar você, artista, colecionador, amante ou curioso, sobre essa (não tão nova) novidade, como é seu processo e quem anda oferecendo esse produto aqui no Brasil e no mundo.

O nome metacrilato que o mercado das artes usa tem duas possíveis origens. A primeira vem do monômero do acrílico que é chamado de metacrilato. A outra possível origem se dá pelo fato de ser um processo em que uma imagem é embutida entre duas chapas de acrílico, e portanto Metacrilato.

De qualquer forma, o metacrilato nada mais é do que o processo onde uma imagem é embutida entre duas placas de acrílico, um termoplástico transparente usado freqüentemente como uma alternativa leve e resistente à quebras quando comparado ao vidro, através do uso de um filme adesivo de poliéster ou polímero elástico (material que varia conforme o produtor), que a fixa entre essas duas placas.  Esse processo dispensa moldura, levando somente um perfil na parte traseira, estando assim pronto para pendurar na parede.

A diferenciada refração e penetração da luz do acrílico somada à sua resistência aos raios UV, dão um resultado quase tridimensional às fotografias: essas ganham profundidade, um aspecto líquido, onde permite que as cores fiquem mais vibrantes, além de serem isoladas da umidade e dos agentes oxidantes, dois conhecidos fatores de risco na longevidade de obras de arte.

O processo de produção do metacrilato utilizando polímeros elásticos foi patenteado pelo suíço Heinz Sovilla-Brulhart em 1969, e desde então vem sido guardado a sete chaves pela família do cientista. Com o tempo, novos processos foram desenvolvidos e novos polímeros criados. Muitas empresas desenvolveram filmes adesivos de poliéster com qualidade ótica para utilização em “backlight” enquanto outras empresas aprimoraram o sistema de polimerização neutra para a fixação da imagem ao acrílico para utilização em “fine arts”.

Todas estas técnicas vêm lentamente ganhando espaço no circuito de “fine art” e na prestação de serviços personalizados de impressão. Este acabamento é uma alternativa às clássicas molduras de obras de arte, pois traz um ar mais contemporâneo e ao mesmo tempo simples à fotografia. No exterior, diversa galerias tem dado preferência para esse processo e aparentemente, o metacrilato é a menina dos olhos das galerias de arte contemporânea.

A grande dúvida de todos é sobre quanto tempo realmente um metacrilato pode durar. Fomos atrás de pesquisas feitas sobre o processo de produção para desvendar mais sobre o assunto e descobrimos que existem vários tipos de metacriltatos sendo oferecidos no mercado.

 

Filme óptico adesivo.

O método mais comum é o que utiliza um filme adesivo à base de poliéster. Este filme, em muitos casos já vem com uma camada protetora dos raios UV e garante que a imagem não sofra degradação através da incidência da luz.

Um fato a ser considerado é que o filme adesivo, com o tempo e a ação da variação de temperatura, sofre um processo de delaminação. Um quadro produzido utilizando este processo termina apresentando bolhas entre 1 a 10 anos após sua produção.

 

Polimerirazão frontal.

Este é o mesmo sistema que nos anos 60 foi patenteado pelo suíço Heins Sovilla-Brulhart.

A imagem é colada no acrílico utilizando um polímero elástico. Este processo, ao contrário do filme adesivo, é mais demorado. O polímero demora 72 horas para ter uma cura total, o que retarda bastante o tempo de produção de uma obra.

 O grande segredo do processo não está no polímero, mas no catalizador utilizado para criar uma adesão entre este e o acrílico. Este processo foi mantido em segredo até 1995 quando a patente de Sovilla caiu e mais pessoas tiveram acesso à formulação do catalizador.

Desde então, polímeros mais eficientes surgiram e a tecnologia da produção do metacrilato melhorou.

São poucas as empresas que fazem este processo que, por ser difícil, é feito somente na parte da frente da imagem, para depois usar um adesivo na parte de trás para a colocação da outra chapa de acrílico, Poliestireno ou ACM.

Existem críticos a este processo, pois o adesivo usado no verso pode, com o tempo, alterar a cor da imagem em função do caráter não neutro da sua cola.

 

Polimerização total

Este é o processo mais elaborado de todos, pois usa o mesmo polímero neutro para colar a frente e o verso da imagem. O tempo de produção é lento, mas garante com que a imagem fique preservada em um ambiente inerte de ambos os lados. São pouquíssimas empresas que produzem este tipo de metacrilato no mundo. Uma delas está no Brasil, a Photoarts.

 Conversamos com um dos experts no assunto, Paulo Varella, fundador da www.photoarts.com.br e do www.instaarts.com , que compartilhou seu conhecimento e experiência no assunto.

 

fundo quadro metacrilato 1

 

 

 

( Arteref) Como você resolveu começar com produção de Metacrilato?

( Paulo Varella) Tudo começou com uma necessidade de montar uma exposição de fotografias. Fui atrás dos fornecedores deste produto aqui no Brasil que pudessem me atender.

Fiz um teste e mandei uma obra de arte para cada um deles para poder ver a qualidade do produto final. Descobri que o principal desses fornecedores usava filmes de poliéster enquanto o outro usava polímero somente na parte da frente.

O preço do fornecedor que usava polímeros era um absurdo enquanto o outro não possuía a qualidade que eu precisava.

Como eu tenho uma formação em química e arte,  resolvi encarar o desafio, pesquisar e investir no maquinário para produzir as peças para as minhas exposições. Tanto na produção de metacrilato quanto na produção de peças de fine art ( molduras, impressão e outras mídias).

Neste processo, fiz amizade com um restaurador alemão que fez a sua tese de mestrado sobre a produção do metacrilato. Com a ajuda dele e de uma empresa americana produtora de polímeros, consegui reproduzir e melhorar o processo de produção do metacrilato patenteado por Sovilla nos anos 60.

 

(Arteref) Mas quanto tempo realmente dura um metacrilato?

(Paulo Varella) Vamos considerar o metacrilato com polimerização total, isto é, na frente e atrás.

Apesar de ninguém ter visto ainda um metacrilato de 100 anos( já que nem a invenção do acrílico tem esta idade), existem processos de envelhecimento em Autoclave.

Foi ai que este amigo alemão me ajudou. Ele fez uma tese sobre a longevidade do metacrilato. Usou mais de 100 amostras com todas as possíveis variações de papel, polímero, dupla-face e catalizador.

O metacrilato produzido da forma correta (polimerização total) teve uma vida projetada de 90 a 110 anos.

No tempo em que a tese foi feita, ele utilizou C-prints (papel fotográfico com revelação química). Hoje, com as novas tintas a base de plástico, esta durabilidade aumentou.

O metacrilato, certamente é um produto que vai durar pelo menos 2 gerações inteiras.

 

(Arteref) Por que é tão caro o metacrilato?

(Paulo Varella) Eu já devo ter produzido umas 800 peças desde que comecei a trabalhar com metacrilato.

Sempre na hora de checarmos o produto após a primeira polimerização, o clima na sala de produção fica tenso e eu fico com um frio na barriga.

As vezes por conta de um ponto de poeira, temos que descartar um quadro de 2 metros quadrados.

Não existe como aproveitarmos as chapas já polimerizadas. Uma vez feita a colagem, não há retorno, fica impossível descolar a imagem. Aliás, esta é a ideia do processo, que a imagem nunca se descole (risadas). A porcentagem de perda no processo é alta e precisamos colocar isto na base de cálculo para que o negócio possa sobreviver.


Reportagem feita pela revista Arteref.com